quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Sou Messias A Fé

Esta é uma estória de um alpinista que sempre buscava superar mais e mais desafios. Ele resolveu depois de muitos anos de preparação escalar o Aconcágua. Mas ele queria a glória somente para ele, e resolveu escalar sozinho sem nenhum companheiro, o que seria natural no caso de uma escalada com essa dificuldade.

Começou a subir e foi ficando cada vez mais tarde, e porque não havia se preparado para acampar, resolveu continuar a escalada decidido a chegar até o topo. Escureceu e a noite caiu que nem um breu nas alturas da montanha, e não era possível mais enxergar um palmo à frente do nariz, não se via absolutamente nada. Tudo era escuridão, zero de visibilidade, não havia lua e as estrelas estavam cobertas pelas nuvens.

Subindo por uma parede a apenas 100 m do topo ele escorregou e caiu a uma velocidade vertiginosa, somente conseguia ver as manchas que passavam cada vez mais rápidas na mesma escuridão, e sentia a terrível sensação de ser sugado pela força da gravidade.

Ele continuava caindo e nesses angustiantes momentos, passaram por sua mente todos os momentos felizes e tristes que já havia vivido em sua vida de repente ele sentiu um puxão que quase o partiu pela metade.

Shack! como todo alpinista experimentado, havia cravado estacas de segurança com grampos a uma corda que fixou em sua cintura.

Nesse momento de silêncio, suspendido pelos ares na completa escuridão, não havia nada a fazer a não ser gritar:

- Ó meu Deus, me ajude!!!

De repente uma voz grave e profunda vinda dos céus, respondeu:

- O que você quer de mim, meu filho?

- Me salve meu Deus,. Por favor!!!

- Você realmente acredita que eu possa te salvar?

- Eu tenho certeza, meu Deus

- Então corte a corda que te mantém pendurado

Houve um momento de silêncio e reflexão. O homem se agarrou mais ainda à corda e refletiu que se fizesse isso morreria
Conta o pessoal de resgate que ao realizar as buscas, encontrou um alpinista congelado, morto, agarrado com força a uma corda. A somente meio metro do chão

Por vezes nos agarramos às nossas velhas cordas que nos mantém seguros, porém ter fé é arriscar-se a perder total controle sobre a própria vida, confiando-a ao pai. Que possamos todos entregar-nos e viver plenamente na confiança de que existe aquele que está sempre ao nosso lado a nos suportar, mesmo que nossa corda arrebente.


Olavo foi transferido de projeto. Logo no primeiro dia, para fazer média com o novo chefe, saiu-se com esta:
- Chefe, o senhor nem imagina o que me contaram a respeito do Silva. Disseram que ele ... Nem chegou a terminar a frase, e o chefe, aparteou:
-Espere um pouco, Olavo. O que vai me contar já passou pelo crivo das Três Peneiras?
- Peneiras? Que Peneiras, Chefe?
- A primeira, Olavo, é a da VERDADE. Você tem certeza de que esse fato é absolutamente verdadeiro?
- Não. Não tenho, não. Como posso saber? O que sei foi o que me contaram. Mas eu acho que... E, novamente, Olavo é interrompido pelo chefe:
- Então sua história já vazou a primeira peneira. Vamos então para a segunda peneira que é a da BONDADE. O que você vai me contar, gostaria que os outros também dissessem a seu respeito?
- Claro que não! Deus me livre, Chefe! - diz Olavo, assustado.
- Então, - continua o chefe - sua história vazou a segunda peneira. Vamos ver a terceira peneira, que é a da NECESSIDADE. Você acha mesmo necessário me contar esse fato ou mesmo passá-lo adiante?
- Não chefe. Pensando desta forma, vi que não sobrou nada do que eu iria contar - fala Olavo, surpreendido.

Da próxima vez em que surgir um boato por aí, submeta-o ao crivo das Três Peneiras – Verdade, Bondade e necessidade - antes de obedecer ao impulso de passá-lo adiante, porque: Pessoas inteligentes falam sobre idéias, pessoas comuns falam sobre coisas e pessoas mesquinhas falam sobre pessoas.

Nenhum comentário: