domingo, 9 de maio de 2010

Reflexão

"O homem, quando jovem, é só, apesar de suas múltiplas experiências.
Ele pretende, nessa época, conformar a realidade com suas mãos,servindo-se dela, pois acredita que,ganhando o mundo,conseguirá ganhar a si próprio.
Acontece, entretanto, que nascemos para o encontro com o outro, e não o seu domínio.
Encontrá-lo é perdê-lo, é contemplá-lo em sua liberrérima existência,é respeitá-lo e amá-lo na sua total e gratuita inutilidade.
O começo da sabedoria consiste em perceber que temos e teremos as mãos vazias, na
medida em que tenhamos ganho ou pretendamos ganhar o mundo.
Neste momento, a solidão nos atravessa como um dardo.
É meio-dia em nossa vida, e a face do outro nos contempla como um enigma.
Feliz daquele que, ao meio-dia, se percebe em plena treva, pobre e nu.
Este é o preço do encontro, do possível encontro com o outro.
A construção de tal possibilidade passa a ser, desde então, o trabalho do homem que merece seu nome."

De uma carta de Hélio Pellegrino a Fernando Sarbino.

"_ Vocês pensam que podem reformar o mundo.
Também já pensei assim. Com o tempo fui aprendendo umas tantas coisas.
É preciso compreender antes de julgar... A natureza humana é frágil, ninguém é perfeito.
E é assim mesmo que o mundo tem de ir pra frente...
Começaram a olhar Toledo com desprezo, não o poupavam.(...)
_ Está bem, está bem bem, é preciso consertar, começar tudo de novo.
Mas não posso fazer nada. Tenho minha mulher, meus filhos
-um dia vocês ainda hão de ver que isso é o mais importante.
_ O mundo não vale o meu lar.
_ Quem foi que disse que todo homem é incendiário aos vinte anos e bombeiro
aos quarenta?"

Conversa entre personagens no livro "O Encontro Marcado" de Fernando Sabino.

De tudo ficaram três coisas: a certeza de que estamos sempre começando, a certeza de que é preciso continuar e a certeza de que podemos ser interrompidos antes de terminar.
Fazer da interrupção um caminho novo, da queda um passo de dança, da procura um encontro...


Reflexão de Eduardo, personagem principal da obra.

Nenhum comentário: